Presidente da câmara de União Paulista, Leandro Rodrigues, participou de evento para a construção de casas populares na cidade

Presidente da câmara de União Paulista, Leandro Rodrigues, participou de evento para a construção de casas populares na cidade

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Presidente da Câmara, Prefeita e Vice representaram União Paulista em evento que visa a liberação de investimentos de R$ 1,1 bilhão para construir 10,5 mil unidades habitacionais em 87 municípios do estado, União Paulista está na lista

Josimax Pereira/Assessor de Imprensa

A Convite do Secretário Estadual da Habitação, Flávio Amary e do Governador do Estado de São Paulo, João Dória, o Presidente da Câmara Municipal de União Paulista, vereador Leandro Rodrigues, esteve participando de um evento na Sede do Governo Paulista na companhia da Prefeita Municipal Kendrea Papile e do Vice-Prefeito Edinho do Índio.

Durante o evento, o Secretário de Estado da Habitação, Flavio Amary, detalhou as três modalidades das obras que serão realizadas em todo o Estado para atender a população de baixa renda. “O governo de São Paulo mostra o seu compromisso com a saúde e também com a economia. Com essa ação de hoje, mais de 30 mil empregos serão gerados no Estado de São Paulo de maneira praticamente imediata. Cuidar das pessoas é o nosso compromisso, da Habitação e do Governo de São Paulo”, destacou Amary.

Pela modalidade “Nossa Casa-CDHU” serão 6.964 unidades em 80 conjuntos habitacionais, sendo 76 empreendimentos de casas e quatro de apartamentos. As casas serão construídas em duas etapas pela CDHU em parceria com os municípios que doaram os terrenos. Na primeira etapa, será realizada a urbanização dos lotes com pavimentação e implantação de redes de água e esgoto, iluminação entre outros itens. Na etapa seguinte, ocorre o início das obras. Já as unidades em apartamentos serão construídas por meio de licitação única.

Por esta modalidade, os imóveis contam com dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. O financiamento dos imóveis segue os critérios da CDHU e as novas diretrizes da Política Habitacional do Estado, que preveem juros zero para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos. Assim, os mutuários pagam praticamente o mesmo valor ao longo dos trinta anos de contrato, que sofre apenas a correção monetária anual calculada pelo IPCA, o índice oficial do IBGE.

Outras 2.566 unidades serão construídas pela modalidade “Nossa Casa-Preço Social”, em que as prefeituras fazem a oferta dos terrenos e, por meio de licitação pública, é definida a empresa privada responsável por desenvolver o empreendimento. Parte das unidades habitacionais é destinada a preço social, ou seja, com valor bem reduzido em relação ao preço normal, para famílias de baixa renda, com cotas específicas para residentes em áreas de risco e famílias que recebem auxílio aluguel municipal. O restante das unidades habitacionais é comercializado pela empresa a preço de mercado.

Os imóveis contam com dois dormitórios com 45 m² de área útil (casas) e 40 m² (apartamentos). Os valores dos imóveis a preço social são fixados conforme critério populacional: R$ 120 mil para cidades das regiões metropolitanas; R$ 110 mil nas cidades acima de 250 mil habitantes e R$ 100 mil nas abaixo de 250 mil habitantes.

As 989 unidades restantes serão pela modalidade Nossa Casa-a poio, com a entrega de cheque moradia às famílias com renda mensal de até três salários mínimos, como subsídio para efetivarem a compra do imóvel, junto às construtoras. Esse subsídio é usado para abater o valor final na assinatura do contrato de financiamento habitacional e o comprador pode contar ainda com subsídios federais e utilizar o FGTS no financiamento habitacional, quando disponível. Desta forma, o valor das prestações fica compatível com a capacidade de pagamento das famílias.

Esta modalidade é aberta a qualquer pessoa, desde que seja aprovada pela Caixa Econômica Federal, que concederá o financiamento habitacional das moradias.

O Presidente da Câmara, vereador, Leandro Rodrigues destacou a importância da participação ativa do município nesse tipo de evento que visa a solicitação e construção de unidades residenciais do C.D.H.U na cidade.

“A habitação, lar, casa, apê ou tantos outros nomes, é o local que não apenas nos abriga, como também nos dá a sensação de pertencimento a uma comunidade ou local. E cada vez mais é cobrado pela nossa população a construção dessas casas devido a facilitação na conquista e a facilidade de pagamento desses lares”, finalizou o Presidente.